Meus visitantes

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Pai desconfiado


- Meu filho eu quero lhe fazer uma pergunta.
- Pode fazer.
- Não me leve a mal, mas...
- Faça.
- Por que você não procura mulheres?
- Está me vigiando?
- Não. Claro que não... É que só vejo você indo atrás de homens...
- Quer saber por quê?
- Tenho medo da resposta.
- O quê?
- Nada.
- Acho as mulheres perigosas demais. Não quero correr o risco.
- Como assim, perigosas? Todos são...
- Não. As mulheres são sensíveis demais e já vi muitos colegas morrerem em suas mãos. Elas sentem rápido, os homens são mais durões...
- Mas os homens são cheios de pelos...
- Você está um pouco atrasado. Os homens de hoje são lisinhos, depilam... A pele chega brilhar. Quando vejo não resisto, minha tromba chega latejar...
- Mas as mulheres tem a pele mais macia.
- É que sua tromba já está velha.
- Olha o respeito!
- Brincadeira papi.
- Papi não, por favor! Tudo. Menos papi.
- É que engoli o “a”.
- Tem outra coisa. A sua professora me disse que você não se mistura com os colegas.
- E daí se gosto mais das colegas? Elas tem o mesmo gosto que o meu. Também preferem os homens.
- Preste atenção meu filho. Estou preocupado com você.
- Por que papai?
- Tenho medo que você seja...
- Tem medo de que eu seja o quê?
- Você sabe... É que você é diferente dos outros colegas.
- O senhor está dizendo isso só porque nunca chupei uma mulher?
- Claro que não.
- É sim pai, mas o que importa é que saio satisfeito. Vai me dizer que nunca deu um chupão num homem?
- Claro que já, mas...
- Mas o quê? Acho que o senhor está influenciado demais pela televisão.
- Como assim?
- Preste atenção pai. Isso não tem nada a ver. Nós precisamos saciar nossos apetites, não precisamos? Então? Que diferença faz se é com animais, com homem, mulher?
- Onde foi que errei?
- E digo mais. Tenho uma preferência por adolescentes...
- Pedofilia é crime!
- Papai em que mundo você está?
- Meu filho você é um pervertido...
- Pervertido? Esse termo não existe em nosso meio.
- Você é homossexual e não quer admitir.
- Agora é homoafetivo que se diz pai...
- Por que não assume?
- Porque acho que o senhor ainda não se deu conta que eu sou um pernilongo e não um menino.
- Mas seus hábitos...
- Papai vamos dar uma volta, o senhor está convivendo demais com os humanos. Eles é que tem dessas coisas, nós não.  
- Não estou entendendo mais nada.
- Eu já falei para o senhor parar de ficar vendo televisão, lendo jornais, revistas... O senhor está pirando.
- Pirando? Será que estou caducando?
- Puxa vida! Como o senhor se humanizou!
- Hã?
- Esquece os hábitos dos humanos pai. Eles só servem para nos alimentar, mais nada. Vem comigo, vamos chupar cabras.
                                                                                                                                             

Postar um comentário